12 outubro 2014

A Culpa é das Estrelas - John Green


Título: A Culpa é das Estrelas
Título Original: The Fault in Our Stars
Autor: John Green
ISBN: 9788580572261
Editora: Intrinseca
Ano: 2012
Páginas: 313

Sinopse: A Culpa é das Estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.

Sei que essa é uma das resenhas que menos vai importar pra todos os leitores do blog mas eu tinha que fazê-la. Provavelmente terá comentários como: "clichê" "modinha" ou "o filme é melhor", e eu não me culpo por isso, além do mais eu assisti o filme antes de ler o vulgo livro, porém gostei dos dois na mesma intensidade.

Estou mudando um pouco meu estilo de resenhar livros e filmes porque geralmente conto spoilers demais e agora apenas direi minha opinião, nada mais que isso. Assisti o filme 4 semanas depois do lançamento, online, uma e meia da manhã e foi muito drama e choro pra mim, pensei que não iria parar de chorar mesmo quando o filme já estivesse no fim, enfim o foco aqui é o livro né? Fiquei com as cenas em minha mente no dia seguinte e tive que começar a ler o livro pra saber se sentiria a mesma emoção novamente, só que através do livro. Eu senti.

Hazel é uma menina tão guerreira mas quem realmente me marcou foi o Gus, além de ser muito lindo (sério pirei quando ele apareceu na primeira cena do filme) ele é muito confiante e aproveita cada segundo da vida dele sem se preocupar com absolutamente nada. Mas também me identifiquei com a Hazel por um simples motivo, ela se importava muito com as pessoas, acho isso uma coisa muito linda, e como toda resenha eu tenho que ser fresco e cheio de mimimi esse é o de hoje.

Não senti tédio em momento algum na leitura, não sei se foi pelo fato de estar ansioso demais por cada capítulo pra poder comparar ao filme ou se eu estava realmente amando estar lendo linha por linha daquela maravilhosa história, pois é, fico com a segunda opção. Um dos melhores livros que eu tive o prazer de ler, Hazel Grace e Augustus Waters serão pra sempre meu eterno shipp, p.s: quase chorei escrevendo a resenha, acredite ou não sou gay demais da conta ahuehe.

Nota:     
Anterior Proxima Inicio

6 comentários:

  1. Tem que chorar mesmo! hahaha Eu só não chorei porque eu não choro mesmo #ludsemlágrimas hahaha Mas sabe, eu não vi o filme... sei lá, fiquei com medo de tirar a magia do livro. Mas vou confiar nas tuas palavras e verei assim que tiver um tempinho. Beijão meu bem, saudade de falar contigo <3

    Coisa da Lud

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como assim você ainda não assistiu o filme Lud? Assiste sim viu, você vai se arrepender por não ter assistido antes. Saudades de falar contigo também <3

      Excluir
  2. Eu li o livro e achei bem bacana mas não me emocionei muito :/
    Mas já no filme, nossa, chorei litros, rios, mares, ospaksoaksopaks ^^
    Adorei seu blog e o modo como você escreve, seguindo *oo*

    Sorriso Espontâneo

    ResponderExcluir
  3. eu li o livro e vi o filme, e acredita que não chorei com o filme? kkk Chorei horrores com o livro, e com filme não. Ambos são ótimos, achei que o livro foi bem adaptado para os cinemas.
    http://teoremademari.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. COMASSIM? O filme é de deixar uma ferida no heart hahaha.

      Excluir